De Inglaterra à Síria… a sabedoria da paz

Vendas de tacos de basebol aumentam 5000%
8/10/2011
As vendas de tacos de basebol aumentaram mais de 5 mil por centro nas últimas 24 horas na loja online Amazon. A causa para a subida vertiginosa na procura destes objectos serão os distúrbios violentos que se têm vivido em várias cidades britânicas nos últimos dias.

Distúrbios provocam três mortos em Birmingham
8/10/2011
Os motins dos últimos quatro dias registados no Reino Unido mostram que "partes da sociedade estão doentes", afirmou hoje o primeiro-ministro britânico, que recusou que falte dinheiro à polícia por causa das medidas de austeridade.

Manchester registou os piores motins dos últimos 30 anos
8/10/2011
A cidade de Manchester, no norte do Reino Unido, registou esta noite os piores motins dos últimos 30 anos, anunciou a polícia local, referindo confrontos, pilhagens e actos de "violência gratuita".

Ânimos Acalmam em Inglaterra (11/08/2011)
Durante a noite, a presença policial nas ruas de Londres foi ostensiva. Foram atirados objectos a agentes da polícia metropolitana no bairro de Eltham, mas o grupo de atacantes dispersou e o assunto foi resolvido. O número de detidos na capital desde o início dos incidentes atingiu os 820. Os tribunais não têm parado, com estes processos a jovens que chegam a ter 11 anos.
Em Gales houve pela primeira vez nestes dias alguns distúrbios, mas de um modo geral as cidades que entretanto se tinham ‘incendiado’ recuperaram alguma da calma.
Em Birmingham corre já um inquérito à morte de três homens atropelados enquanto patrulhavam as lojas do seu bairro, que se pensa ter sido intencional.

Não é possível não ver...
Dizia-me uma prima que se tornou difícil distinguir Inglaterra da Síria, com alguma razão... não fora a Síria ser para a maioria de nós apenas um nome de um país distante, de que só ouvimos falar de vez em quando, e quase sempre pelas piores razões... de tal forma que até já nem ligamos... passa-nos ao lado... agora ver Londres, Manchester, Birmingham, neste estado, ruas que muitos de nós já percorremos, onde sabemos que vive alguém que conhecemos, às vezes até família... ah!, aí já é outra conversa...

A SABEDORIA DA PAZ
Dá Senhor, à nossa vida a sabedoria da paz.
Que o nosso coração não naufrague na lógica de tanta violência disseminada em nosso redor.
Que os sentimentos de dor  ou de despeito não sufoquem a necessidade dos gestos de reconciliação, a urgência de uma palavra amável que rompa as paredes do silêncio, o reencontro dos olhares que desviam.
Dá-nos a força de insinuar no Inverno gelado que, por vezes, vivemos a ramo verde, a inesperada flor, a claridade que é esta irreprimível e pascal vontade de recomeçar.
José Tolentino de Mendonça
in Um Deus que dança

Fontes das notícias: www.sapo.pt

Vim porque me pagavam

Chegou-me por uma amiga no Facebook, não conhecia, invadiu-me na frontalidade e arrasou com qualquer preconceito que se possa ter...  os refugiados, emigrantes e imigrantes não são nem ignorantes nem vêm ou vão à procura do paraíso na terra, vêm ou vão porque lhes pagam e porque precisam de ajuda, muitas vezes, apenas, para sobreviver.

Golgona Anghel é romena, mas escreve em Português. Poesia.
Os versos que se seguem estão no seu segundo livro, recentemente publicado.

VIM PORQUE ME PAGAVAM

Vim porque me pagavam
e eu queria comprar o futuro a prestações.
Vim porque me falaram de apanhar cerejas
ou de armas de destruição em massa.
Mas só encontrei cucos e mexericos de feira,
metralhadoras de plástico, coelhinhos de Páscoa e pulseiras
de lata.

A bordo, alguém falou de justiça
(não, não era o Marx).
A bordo, falavam também de liberdade.
Quanto mais morríamos,
mais liberdade tínhamos para matar.
Matava porque estavas perto,
porque os outros ficavam na esquina do supermercado
a falar, a debater o assunto.Com estas pernas subi dez andares
para assim te poder olhar de frente.
Alguém se atreve ainda a falar de posteridade?
Eu só penso em como regressar a casa:
e que bonito me fica a esperança enquanto apresento em directo
a autópsia da minha glória.

GOLGONA ANGHEL, in VIM PORQUE ME PAGAVAM (Mariposa Azul, 2011)

Senhor, que conheces o mais profundo do meu coração e me amas, peço-te a graça da disponibilidade e da acção do Espírito em mim.

Faz com que cada dia me deixe purificar de tudo o que me fech

a no meu egoísmo,
e impede o meu caminho até à liberdade de filho de Deus.
Ajuda-me, Senhor, para que os meus olhos se façam misericordiosos

e não suspeitem nem julguem ninguém pela sua aparência,mas aprendam a ver a beleza do coração do irmão.

Ajuda-me, Senhor, para que o meu ouvido se faça misericordioso
Ajuda-me, Senhor, para que a minha língua se faça misericordiosa e tenha palavras de consolo.
Ajuda-me, Senhor, para que as minhas mãos se façam misericordiosas e cheias de boas acções...
Ajuda-me, Senhor, para que o meu coração se faça misericordioso, e possa sentir o sofrimento dos nossos irmãos.
oração para os refugiados in blogCVX de VALLADOLID

Flashmob@Magis – dançando pela “Estrada da Alegria”

Ontem depois da missa, alguns Magis, surpreenderam todos os outros com um Flashmob, mesmo ali, na praça de Loyola!
Pelas fotografias "postadas" sente-se o contágio que começa nos que dançam e arrasta quem não dança mas também caminha pela mesma "estrada da alegria"

Lembrei-me então de rezar:
"Faz-nos trilhar, Senhor, a Estrada da Alegria.

 No simples, no próximo, no escondido da vida
ajuda-nos a ouvir a pequena sinfonia da alegria e abrir,com solenidade, para ela as portas indecisas do tempo que corre.
Só quem saboreia as pequenas alegrias se dá verdadeiramente conta das grandes.

Só quem rejubila com a alegria dos outros percebe que ela é em cada um de nós uma onda puríssima que se expande.
Ajuda-nos a inscrever a alegria como tarefa e, ao mesmo tempo, a mantermo-nos disponíveis para o modo surpreendente e gratuito da sua vida."

Jose Tolentino de Mendonça in Um Deus que dança.

Eterno Senhor de todas as coisas

Pietá

Eterno Senhor de todas as coisas

Sinto que o teu olhar repousa sobre mim, sei que a tua Mãe está aqui ao lado e que à tua volta há uma multidão de homens e mulheres, de mártires e de santos.

Com a tua ajuda queria oferecer-me a Ti.

É a minha mais firme determinação e desejo, se Tu me aceitas, proceder neste mundo como Tu procedeste.

Sei que viveste numa pequena aldeia, sem comodidades, sem educação especial, sei que recusaste o poder político, sei o muito que sofreste. As autoridades recusaram-Te, os amigos abandonaram-Te.

Mas para mim é algo maravilhoso que me convides a seguir-Te de perto.

Oração retirada dos Exercícios Espirituais [EE 98]
(e actualização por Joseph Tetlow sj)

in essejota.net

Rouba-me, Senhor, as palavras

Rouba-me, Senhor, as palavras.
Todas essas palavras vazias da minha vida,
todas essas vozes que não são realmente a minha,
todos esses ruídos, com os que encho a minha boca
e escondem o autêntico do meu ser.

Rouba-me, Senhor, as palavras,
transforma tanta aduladora energia,
em procura de Ti, em cada esquina
e, falando-te, mesmo envolvida pelo quotidiano
saiba surpreender-te com um ousado, mas profundo “sim”.

Rouba-me, Senhor, as palavras
Leva-las, para longe de mim,
mas para longe, de tal maneira,
que já só queira dizer-Te o quanto Te quero
que assim, saiba o quanto Te preciso
Com o ritmo constante e insaciável,
Com toda a arritmia,
do meu dia-a-dia.

traduçao livre e adaptada de Anawin in ahoraqueesilencio.blogspot.com

Não sei o que te peço…

“Durante a noite, o Senhor apareceu em sonhos a Salomão e disse-lhe: «Pede-Me o que quiseres». Salomão responde:Senhor, meu Deus, Vós fizestes reinar o vosso servo em lugar do meu pai David e eu sou muito novo e não sei como proceder....

... vou satisfazer o teu desejo. Dou-te um coração sábio e esclarecido, como nunca houve antes de ti nem haverá depois de ti.”

“Se Deus escreve certo por linhas tortas e a vida não é uma linha recta”, a forma como hoje vi o cruzamento das Leituras com o Salmo e o Evangelho, pareceu-me uma recta secante de doçura, na aridez das nossas vidas não lineares...
É tão desconcertante saber que Jesus diz a quem descobre o tesouro para o esconder novamente, por não o podermos ainda possuir plenamente, que quase me indigna... mas depois, na humildade de Salomão, descobrimos um caminho sobre o que vender e o que procurar no silêncio de dentro, desde dentro....
Inclinei-me então junto de Ti, Senhor, e como Salomão, não sabia o que te pedir...
Não te sabia pedir senão um coração que te saiba procurar,
capaz de perseverar,
um coração ignorante de cansaço,
um coração pujante de fidelidade,
um coração pequeno para a arrogância,
um coração cheio de tolerância,
um coração fraco de certezas,
um coração forte de dúvidas que te buscam,
um coração leal,
um coração transparente.
Porque não me é pedido que governe nenhum povo,
apenas os meus destinos pequenos,
mas a inquietude deste coração que te procura,
crê na saciedade do nosso encontro.
E que esse seja o nosso maior tesouro.

Só Deus sacia, e fá-lo infinitamente. É por isso que só podemos repousar em Deus, como disse Santo Agostinho: «Fizeste-nos para Ti, Senhor, e o nosso coração anda inquieto até que repouse em Ti»

«O Reino do Céu é semelhante a um tesouro escondido”
Mt 13, 44